Acompanhe as notícias do setor da educação

Publicamos regularmente as últimas e principais novidades do setor da educação e principalmente as ações em que a ANDAEP intervem. Visamos assim contribuir para elevar a qualidade de desempenho das escolas públicas portuguesas. Acompanhe-nos.

VIII Convenção Nacional

21 maio 2020

É já no próximo dia 6 de junho de 2020 que se realiza a VIII Convenção Nacional da FNE (Federação...

Ofício da ANDAEP enviado ao ME - abril 2020

29 Abr. 2020

Assunto: Implicações das consequências do Covid-19 no decurso do 3.º período letivo e no ano...

Mensagem Conjunta FNE, CONFAP e ANDAEP

27 Abr. 2020

O eventual regresso dos alunos às escolas, no presente ano letivo, só deverá acontecer, na opinião...

Heróis!

27 Abr. 2020

Decorrida a 1.ª semana do #EstudoEmCasa (a renovada "telescola"), é a altura para fazer um balanço...

Educação na quarentena

24 Abr. 2020

Já dizia Pitágoras: eduquemos as crianças para que não seja necessário punir os adultos.

Oportunidades I: digital

24 Abr. 2020

Todas as situações difíceis, como a que nos assola atualmente, abrem portas a oportunidades de...

Saúde, Saúde, Saúde

13 Abr. 2020

Nove de abril apresentou-se como o Dia D para as escolas, aguardado com enorme expectativa por...

António Costa promete que, entre os alunos, a desigualdade no acesso ao mundo digital vai acabar já a seguir

13 Abr. 2020

“Aconteça o que acontecer”, no próximo ano lectivo vai estar “assegurada a universalidade do...

Diretores vão pedir reforço de orçamento para comprar máscaras para as escolas

13 Abr. 2020

Se os alunos do 11.º e 12.º regressarem às aulas presenciais até 26 de junho, tanto eles como...

SEJA SÓCIO

Torne-se nosso associado e ajude-nos na missão de melhorar o ensino público em Portugal.
Saiba mais...

Filinto Lima
Professor e Diretor.
Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas

Os diretores garantem que as agressões a professores e funcionários são casos isolados e que a imagem das escolas como “campos de batalha” está errada e longe do que se passa nos mais de cinco mil estabelecimentos de ensino do país. 

A última semana foi marcada por revelações diária de novas histórias de agressões a professores. Para o presidente da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), Filinto Lima, os casos denunciados vieram criar na opinião pública uma imagem deturpada do que se passa dentro dos muros das escolas: “Dá ideia e que as escolas públicas são um campo de batalha, mas não são”, lamentou em declarações à Lusa.

O representante dos diretores lembrou que existem mais de cinco mil escolas em todo o país e que este mês foram conhecidos cinco casos.

“Todos estes atos são altamente reprováveis e, até, em alguns casos, puníveis de acordo com a lei, mas não me parece que seja um problema das escolas portuguesas”, sublinhou, lembrando que, “infelizmente”, sempre houve situações conflituosas entre alunos e docentes.

A ideia de não existir um fenómeno crescente é corroborada pelo presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), Jorge Ascensão, que considera que “a escola é uma das instituições públicas mais seguras que o país tem”.

Jorge Ascensão lembrou que os estabelecimentos de ensino são frequentados diariamente por “quase dois milhões de pessoas: são cerca de 1,3 milhões de alunos e os restantes são professores e funcionários”, disse à Lusa, acrescentando que nestes números não estão contabilizados os encarregados de educação.

E é perante estes números que Jorge Ascensão e Filinto Lima contrariam a ideia de alarmismo social e falam em “casos pontuais”, tal como já tinha sido defendido esta semana pelo Ministério da Educação.

Filinto Lima lembra que “a escola pública é um espelho da sociedade” e a comunidade estudantil é bastante heterogénea. Jorge Ascensão acrescenta que “as crianças levam para a escola o que vêm em casa. As crianças agem de acordo com os exemplos que vivem diariamente dentro e fora de casa, mas também dentro das escolas”.

Apesar de considerarem que existem poucos casos, os dois responsáveis salientam que basta haver um para ser motivo de análise e avaliação.

Além disso, reconhecem que existem condicionantes que podem levar um professor a optar por não denunciar a agressão.

Filinto Lima critica o Ministério da Educação por “não dar qualquer apoio jurídico nem psicológico aos professores vítimas de violência durante o exercício das suas funções”.

“Um professor que queira fazer queixa, se precisar de um advogado terá de pagar do seu bolso, o que pode inibir muita gente de avançar”, lamentou.

Outras razões que podem inibir as vítimas de denunciar são a inconsequência das queixas e o receio de serem perseguidos pelos agressores, segundo alertas feitos por vários sindicatos, como a Fenprof e o SIPE (Sindicato Independente de Professores e Educadores), que exigem penalizações mais graves para os agressores.

 

Aconteceu!

2.º Congresso das Escolas - A Pedagogia das Escolas

Congresso para discutir pedagogia organizado pelas associações de diretores de escola portugueses, com o apoio da Fundação Gulbenkian.

14 e 15 Novembro • Fundação Calouste Gulbenkian - Lisboa

 

Saiba mais...